7 COMPETÊNCIA INDISPENSÁVEIS PARA SER UM BOM PROFISSIONAL

 

7 COMPETÊNCIA INDISPENSÁVEIS PARA SER UM BOM PROFISSIONAL

 

Se, até 2020, pouca atenção era dada à saúde mental, à resiliência e à capacidade de autogestão, agora é quase impossível para os recrutadores dar continuidade ao processo de seleção de um candidato que demonstre vulnerabilidade em alguma dessas características.

 

Esse cenário surgiu principalmente em decorrência das recentes crises econômicas - e todas as suas consequências - que fizeram com que o trabalho passasse a ter um novo papel na vida das pessoas. O resultado é que as empresas devem se adaptar às mudanças na força de trabalho, bem como à transformação contínua.



CENÁRIO PÓS PANDEMIA

Os trabalhadores passaram a exigir maior flexibilidade, autonomia e investimento em seu desenvolvimento profissional, que não é mais linear. Por outro lado , as empresas começaram a valorizar funcionários com habilidades cognitivas que antes eram subvalorizadas.

 

As soft skills já estão ganhando força no mundo corporativo, e o salário de um colega que as possui de forma mais desenvolvida é mais alto porque a oferta era menos abundante do que o previsto. Os profissionais que conseguem enfrentar as adversidades do dia a dia e não desistem no primeiro obstáculo, mantendo-se motivados e focados em suas tarefas, são os mais procurados.

 

A descoberta será expandida ainda mais. As habilidades socioemocionais de uma pessoa têm impacto sobre o desempenho em suas atividades profissionais. Em outras palavras, a felicidade tem um custo: pessoas felizes são mais produtivas.

 


Mas que competências profissionais procura o mercado de trabalho? Comecemos pelo óbvio:


 

1.     CONHECIMENTO EM TECNOLOGIAS

Profissionais conectados e atentos às novas tecnologias, dispostos a utilizar ferramentas e plataformas, são amplamente valorizados, pois o foco das empresas é maximizar o tempo e reduzir custos.


Pessoas com esse perfil se destacam para empresas em processo de transformação digital ao automatizar tarefas rotineiras e processos operacionais. Espera-se que a digitalização do Brasil acelere mais ainda em 2023.

 

 

2.     APRENDIZADO CONTÍNUO

Não basta ter conhecimentos e habilidades na sua área de atuação para ser um profissional comercializável. Com tantas mudanças no trabalho, ir além do óbvio é uma característica valorizada.


Algumas organizações estão dispostas a pagar mais caro por esse perfil porque acreditam que o aprendizado e a atualização contínua mantêm o profissional preparado para contribuir de forma mais efetiva com o negócio.


Em outras palavras, a aprendizagem ao longo da vida, às vezes conhecida como "aprendizagem contínua", está emergindo como um poderoso catalisador para a inovação no mundo corporativo.

 

 
3.     COMUNICAÇÃO INTERPESSOAL

A comunicação eficaz é o que une os relacionamentos das pessoas no local de trabalho. Ter clareza para expressar ideias na interação com outros profissionais, seja presencial ou virtualmente, garante que as atividades fluam de forma a produzir bons resultados.


As falhas de comunicação causam problemas organizacionais, que vão desde a falta de confiança e respeito entre dois ou mais colaboradores até a perturbação do clima organizacional geral da empresa.

 

 

4.     VISÃO ABRANGENTE E ESTRATÉGICA

Conhecer o mercado e ter uma visão ampla sobre negócios, economia e política global é uma característica que tem se tornado cada vez mais relevante e valorizada por empresas que estão expandindo seus horizontes.


A maioria dos executivos e executivas entende que um profissional bem informado e com visão estratégica do negócio pode antecipar possíveis mudanças comportamentais e de mercado, bem como se preparar para as consequências de uma catástrofe global.

 

 

5.     INTELIGÊNCIA EMOCIONAL

Não há dúvida de que a inteligência emocional é uma habilidade essencial para o profissional moderno e na qual os empregadores estão prestando atenção devido ao ambiente de trabalho muito competitivo e desafiador.


São aqueles que conseguem equilibrar suas emoções sem deixar que pequenos problemas afetem seu desempenho. Sabe aquele colega que, ao invés de arrancar os cabelos, faz uma lista e vai cumprindo uma de suas responsabilidades? Esse é o ponto: lidar racionalmente com a pressão no trabalho e manter os sinais claros de que a pessoa está centrada.

 

 

6.     CAPACIDADE ANALÍTICA

Um profissional com visão analítica buscaria informações precisas e basearia suas estratégias e ações em dados, pensando no todo e não apenas na situação imediata.


Isso torna necessário que ele se esforce para investigar as causas e efeitos de suas iniciativas e ponderar as implicações.


 Além disso, um analista geralmente é organizado e focado, prestando muita atenção aos detalhes e tendo um forte compromisso com a lógica.

 

7.      AUTOMOTIVAÇÃO

Com essa habilidade, o profissional encontra motivação e energia para realizar bem o seu trabalho, independente do esforço necessário para obter os resultados desejados. Sem tal qualidade, o profissional terá dificuldades para desenvolver as suas demandas.


Um dos segredos para o sucesso nos negócios é fazer um acordo consigo mesmo, devemos estar sempre disponíveis para aprimorar nossas próprias qualidades, aprender coisas novas ou dominar as áreas em que somos mais fracos.


O fato é que uma pessoa motivada não espera por um estímulo externo, como a aprovação de outra pessoa. É possível ser confundido com determinação. Você pode estar determinado a correr todos os dias ou ir à escola todos os dias. Isso resulta da sua capacidade de encontrar motivação no facto de o exercício físico me beneficiar muito e, mesmo que sinta alguma ansiedade de vez em quando, o ganho no futuro compensará.


Qualquer pessoa com motivação tem tudo de que precisa para ter sucesso na vida.

O MUNDO ESTÁ EVOLUINDO… E O MERCADO DE TRABALHO TAMBÉM

Sempre surgem novos termos para explicar os movimentos do mercado de trabalho. É natural que haja alguma confusão entre profissionais e empresas.

As mudanças no ambiente corporativo se materializaram inesperadamente, foram aceleradas pela epidemia e provavelmente continuarão no futuro próximo.

Dificilmente o trabalho híbrido regredirá, assim como não há perspectivas de redução dos transtornos emocionais ligados à saúde mental no trabalho.

Pelo contrário, a pressão e a competição devem aumentar. E, com base na teoria evolutiva, podemos prever que será o profissional mais adaptável que sobreviverá.





Comentários

Postagem Anterior Próxima Postagem